Hora Brasileira

A Nova Esquerda da América Latina Encontra Davos

A Nova Esquerda da América Latina Encontra Davos

Embora possam parecer deslocadas no ultra-rico paraíso suíço, as ambiciosas propostas políticas de Lula e Petro dependem de investimento estrangeiro.
Gustavo Petro
Colombian President Gustavo Petro attends the session “Leadership for Latin America” during the World Economic Forum in Davos, Switzerland, on Jan. 18

A reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, pode parecer um destino estranho para as delegações dos recém-empossados governos de esquerda da América Latina. Mas a região de crescimento lento pode se beneficiar do investimento estrangeiro, e o evento – onde os bilionários se misturam confortavelmente – é uma chance de cortejar financiamento para seus ambiciosos planos políticos.

Autoridades de alto escalão da Colômbia e do Brasil estavam entre os que fizeram a viagem aos Alpes, com o presidente colombiano Gustavo Petro, que já foi guerrilheiro na região subtropical de Bogotá, vestindo um cachecol xadrez para saudar a neve suíça. Os presidentes de centro-direita do Equador e da Costa Rica também estiveram presentes.

O discurso de Petro em um painel de líderes políticos na quarta-feira – feito em um tom que parecia mais calibrado para uma convenção de esquerdistas do que de banqueiros – enfatizou seu desejo de tornar o modelo econômico da Colômbia mais verde. Enquanto isso, em entrevista à Reuters, o ministro das Finanças da Colômbia, José Antonio Ocampo, anunciou que seu país pretende convencer os governos latino-americanos a concordar com um acordo tributário corporativo mais abrangente do que o negociado em 2021 pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (OCDE).

No acordo da OCDE, 136 países e jurisdições se comprometeram a tributar empresas multinacionais em pelo menos 15% nos países onde obtiveram lucros. Esta norma destina-se a impedir que as empresas comprem paraísos fiscais baixos para suas sedes. Os signatários disseram que implementariam o acordo este ano, embora o Congresso dos EUA não tenha aprovado uma legislação para fazê-lo. Em Davos, Ocampo chamou o acordo da OCDE de “muito limitado”, dizendo que se aplicava apenas a empresas multinacionais muito grandes. Ele quer que os ministros da Fazenda latino-americanos se reúnam para discutir o tema em julho.

Ocampo e Petro têm capital político único para impulsionar tal plano. Os dois conduziram com sucesso uma reforma tributária que aumentou os impostos sobre os ricos no Congresso da Colômbia em novembro passado, apenas três meses após a presidência de Petro. A administração do presidente chileno Gabriel Boric, inaugurada em março de 2022, tentou fazer uma reforma semelhante em seus primeiros meses, sem sucesso. O índice de aprovação doméstica da Boric caiu para 25 por cento, enquanto o da Petro permanece em 48 por cento, de acordo com pesquisas recentes.

Ocampo poderia ganhar força com o novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que pretende tirar proveito de seu índice de aprovação de 51% – alto, para os padrões regionais – ao aprovar uma reforma tributária em seu Congresso Nacional no primeiro semestre deste ano. Lula disse que os brasileiros que ganham menos de US$ 965 por mês não deveriam mais pagar imposto de renda, enquanto os ricos serão mais tributados, embora não tenha dito quanto.

A equipe do Brasil em Davos concentrou suas mensagens públicas em atrair financiamento para projetos verdes. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, reiterou o compromisso do governo Lula de alcançar o desmatamento líquido zero até 2030, e sua presença no evento sugere que as preocupações climáticas terão um papel fundamental na formulação de políticas de Lula. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, por sua vez, elogiou o uso generalizado de energia limpa na América Latina para empresas que buscam garantir aos consumidores que seus produtos são feitos com energia renovável. Mais de 25% do suprimento de energia primária da região vem de fontes renováveis, o dobro da média global, de acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Falando em painéis separados, Haddad e Felipe Bayón, presidente da petrolífera estatal colombiana Ecopetrol, defenderam a melhoria e a melhor integração das linhas de transmissão de energia em toda a América Latina. O presidente do Equador, Guillermo Lasso, e o presidente da Costa Rica, Rodrigo Chaves Robles, também falaram sobre o potencial de energia limpa em seus países e disseram que estão perto de fechar um acordo comercial bilateral.

O otimismo dos líderes latino-americanos sobre propostas fiscais e infraestrutura verde em Davos foi temperado por uma séria preocupação com as necessidades sociais da região. O mesmo painel que apresentou Bayón incluiu Ana Cecilia Gervasi, a ministra das Relações Exteriores do Peru, onde os protestos antigovernamentais em andamento diminuíram a produção no setor de cobre – em si um componente importante da tecnologia verde. Gervasi leu sombriamente uma declaração preparada que dizia que o governo do Peru estava comprometido em lidar com a desigualdade por trás dos distúrbios e investigaria os responsáveis pelas mortes nos protestos, onde mais de 50 pessoas morreram até agora. Grupos de direitos humanos dizem que alguns manifestantes foram mortos pelas forças de segurança.

A mesa com Gervasi voltava rotineiramente ao mesmo tema: a necessidade de um melhor contrato social na região.

Para que a política funcione melhor, disse o apresentador de televisão e palestrante brasileiro Luciano Huck, “só podemos curar isso se as pessoas acreditarem que podem ter uma vida melhor novamente”.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo