Hora Brasileira

Brasil, Argentina, Chile e México condenam em conjunto os anúncios de assentamentos Israelenses

Brasil, Argentina, Chile e México condenam em conjunto os anúncios de assentamentos Israelenses

Os países da América Latina afirmam que as "medidas unilaterais" de Jerusalém constituem graves violações do direito internacional e das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Essa declaração sugere que as ações tomadas por Jerusalém, sem a cooperação e aprovação de outros países, são consideradas ilegais e contrárias às decisões da ONU.

Brasil, Argentina, Chile e México criticaram a decisão de Israel de intensificar sua presença na Cisjordânia, após uma série de ataques terroristas em Jerusalém.

Uma declaração emitida pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil e assinada pelos quatro países expressou “profunda preocupação” com o anúncio de Israel de que legalizaria retroativamente nove postos avançados existentes na Cisjordânia e avançaria com planos para a construção de 10.000 novas residências no local.

“Essas medidas unilaterais constituem graves violações do direito internacional e das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas”, afirmou a declaração.

A maioria das potências ocidentais considera os assentamentos israelenses na Cisjordânia como ilegais e uma violação do direito internacional. Cerca de 500.000 israelenses residem em assentamentos na Cisjordânia, onde vivem 2,9 milhões de palestinos.

A volta do esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva à presidência, em 1º de janeiro 2023, encerrou um período de quatro anos de alinhamento do Brasil com Israel sob seu antecessor de extrema-direita, Jair Bolsonaro, que chegou a cogitar a mudança da embaixada do país sul-americano de Tel Aviv para Jerusalém, cidade disputada entre palestinos e israelenses.

Em sua declaração, os governos latino-americanos pediram a ambas as partes que “se abstenham de atos e provocações que possam promover uma nova escalada da violência” na região e instaram negociações para uma “solução pacífica” para o conflito de longa data.

Os quatro países se juntam a uma longa lista que já se manifestou contra a decisão do gabinete, que foi apresentada como resposta a ataques em Jerusalém que deixaram 11 israelenses mortos nas últimas semanas. Desde o início do ano, quase 50 palestinos também foram mortos – a maioria em confrontos com tropas, mas vários sob circunstâncias menos claras que estão sendo investigadas pelas Forças de Defesa de Israel.

Aparentemente buscando minimizar os danos, autoridades israelenses deram declarações anônimas à mídia hebraica, observando que os postos avançados sendo legalizados existem há anos e que levará anos antes de o terreno ser quebrado para as residências dos assentamentos que estão sendo avançados. No entanto, muitos dos postos avançados que estão sendo legalizados ficam em terras palestinas privadas, e o pacote de 10.000 residências de assentamentos que Israel busca avançar será a maior quantidade já aprovada em uma única sessão.

A administração Biden emitiu várias críticas a Israel pela ação, mas também anunciou na quinta-feira que não apoia uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que está sendo preparada para votação, pedindo uma paralisação imediata da atividade de assentamentos. Não querendo usar seu poder de veto, os EUA estão fazendo lobby com países para apoiar uma declaração conjunta mais simbólica com o mesmo efeito, disseram diplomatas da ONU.

Enquanto a comunidade internacional considera todos os assentamentos ilegais, Israel diferencia entre as residências de assentamentos construídas e permitidas pelo Ministério da Defesa em terras de propriedade do Estado, e postos avançados ilegais construídos sem as autorizações necessárias, muitas vezes em terras palestinas privadas. No entanto, os postos avançados são às vezes estabelecidos com a aprovação tácita do Estado, e governos sucessivos buscaram legalizar pelo menos algumas das mais de 100 comunidades não reconhecidas como resultado.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo