Hora Brasileira

Como a mineração de ouro no Brasil está ligada a centenas de mortes

Como a mineração de ouro no Brasil está ligada a centenas de mortes

A desnutrição e outras doenças entre o povo Yanomami do Brasil têm sido associadas à mineração ilegal de ouro em seu território. Aqui está o que sabemos sobre o porquê.

Em meados de janeiro, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, acusou o ex-presidente do país, Jair Bolsonaro, de facilitar o genocídio contra o povo indígena Yanomami, que vive nas profundezas da floresta amazônica ao longo da fronteira da Venezuela com o Brasil.

O povo Yanomami viveu em isolamento quase total até a década de 1980, quando foi encontrado ouro em seu território. Ao longo das décadas desde essa descoberta, cerca de 40.000 garimpeiros ilegais abriram caminho, espalhando doenças como tuberculose e malária e poluindo rios com mercúrio em sua busca por ouro.

Em 20 de janeiro, o Ministério da Saúde do Brasil declarou emergência médica no território. Segundo relatos, 570 crianças morreram de desnutrição e doenças evitáveis durante os últimos quatro anos da presidência de Bolsonaro, que Lula disse ignorar ativamente as atividades de mineração ilegal e a consequente emergência humanitária.

Há uma série de estudos desde a década de 1990 que aumentaram a conscientização sobre os efeitos negativos para a saúde que a mineração ilegal de ouro teve sobre a população Yanomami, que consiste em cerca de 30.000 pessoas.

Esses estudos mostram que a mineração de ouro pode estar ligada à tuberculose, malária, envenenamento por mercúrio e desnutrição.

Tuberculose
Por centenas de anos, o isolamento dos Yanomami poupou seu povo de muitas das pragas do mundo “civilizado” – incluindo a tuberculose.

Um estudo de 1997 publicado por pesquisadores brasileiros na revista PNAS descobriu que a tuberculose, que assolou a Europa e os Estados Unidos no século 18, só começou a se espalhar entre os Yanomami depois que forasteiros fizeram contato com eles em meados do século 20.

O estudo disse que o primeiro caso relatado de tuberculose data de 1965, e um pequeno número de casos foi observado na década de 1970. Mas foi apenas na década de 1980, quando o ouro foi descoberto e os forasteiros começaram a se aglomerar na região, que a infecção se espalhou por toda a área e se tornou uma epidemia.

Malária
Nas décadas desde que a mineração de ouro — e a exploração madeireira — começaram na área, e especialmente nos últimos anos, os pesquisadores observaram um aumento “notável” nos casos de malária entre os Yanomami.

Em um estudo publicado no Malaria Journal da BioMed Central no final de 2022, os pesquisadores destacaram duas razões para o aumento nos casos.

Primeiro, eles disseram que era difícil para as autoridades de saúde controlar o vírus nas áreas de fronteira, e isso foi ilustrado por casos importados da Venezuela.

Em segundo lugar, eles citaram a mineração na área, incluindo a mineração ilegal, como sendo responsável pelo aumento da atividade de vetores. A alteração do ambiente causada pelo homem através da mineração a céu aberto e a escavação de buracos e bancos produzem locais exuberantes de reprodução de mosquitos, escreveram eles.

Entre 2016 e 2020, o número de garimpeiros na área aumentou. Ao mesmo tempo, o número de casos de malária aumentou 1.090% nas áreas indígenas e 75.576% nas áreas de mineração, escreveram os pesquisadores.

envenenamento por mercúrio
Os garimpeiros buscam ouro misturando mercúrio líquido em sedimentos escavados nos rios da Amazônia.

A expulsão ilegal desse mercúrio para o ambiente natural poluiu áreas Yanomami tradicionalmente usadas para caça, pesca e coleta e resultou no desmatamento de amplas faixas da floresta tropical próxima.

Pesquisa realizada por Paulo Basta, médico e cientista da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, mostra evidências de que essa prática tem causado níveis anormalmente elevados de mercúrio em populações Yanomami próximas às áreas de garimpo.

Outro estudo publicado por Basta e outros em maio de 2019 revelou que os déficits nutricionais das crianças Yanomami que eles encontraram “[foram] os mais graves já relatados entre crianças indígenas no continente americano”.

“A prevalência de nanismo, baixo peso e emagrecimento que relatamos não tem precedentes na literatura especializada”, escreveram os autores.

Seus resultados também indicaram que essas condições foram transmitidas por gerações de Yanomami.

A pesquisa sobre a ligação potencial entre a poluição por mercúrio e o nanismo ainda está em andamento.

Desnutrição

Historicamente, os Yanomami têm se sustentado da terra. Eles comem caça selvagem – pássaros, porcos e peixes – e frutas de roças auto-plantadas, como bananas.

“O problema é que os garimpeiros realmente destruíram a floresta”, disse Christina Haverkamp em entrevista realizada na região amazônica por mensagem de voz.

Haverkamp é um ativista alemão de direitos humanos que trabalha com os Yanomami há mais de 30 anos.

“[Os garimpeiros] deixam carecas e alagamentos onde os Yanomami não podem construir nada. Nessas áreas toda a caça fugiu e os peixes estão envenenados com mercúrio. Em Papiu [território Yanomami], tivemos que trazer nossas própria água potável. Você não pode beber a água do rio por causa do envenenamento por mercúrio”, disse ela.

Em muitas partes do território Yanomami, os garimpeiros não só interromperam como destruíram a cadeia alimentar, tornando impossível para os Yanomami se sustentarem com a terra, disse Haverkamp.

Ela disse que quando os garimpeiros chegaram, há cerca de 30 anos, foi como uma verdadeira invasão. Nos anos seguintes, o número de garimpeiros começou a cair, mas voltou a crescer durante a presidência de Bolsonaro.

“Para os garimpeiros, [o território Yanomami] é como uma área livre onde eles podem fazer o que quiserem porque estão todos armados”, disse ela. “Os Yanomami não têm chance de lutar contra os garimpeiros – se tentarem, serão mortos. Essa também é a razão pela qual alguns grupos Yanomami começaram a cooperar e trabalhar com os garimpeiros – porque eles não teve qualquer ajuda de fora para se defender.”

Em troca de seu trabalho, esses Yanomami muitas vezes recebem alimentos ultraprocessados dos garimpeiros como compensação, disse Haverkamp.

Falta de cuidados de saúde

Um relatório da organização sem fins lucrativos Instituto Socioambiental aponta que muitos dos problemas que afligem os Yanomami são evitáveis e poderiam ser tratados com remédios e acesso à saúde. Mas em seu relatório, chamado “Yanomami Under Attack”, eles dizem que as trilhas de mineração clandestina bloquearam muitos dos aeródromos que tradicionalmente facilitam a entrega de cuidados de saúde e medicamentos por avião e helicóptero.

“No ano passado, estive em Papiu para ajudar na reforma de um posto de saúde que construímos há 19 anos”, disse Haverkamp. “Os garimpeiros entravam no posto para fazer tratamento, a maioria para malária. Isso naturalmente foi muito difícil para mim, ver que os garimpeiros estavam sendo atendidos [em um posto feito para os Yanomami] mas a enfermeira disse que, por lei , devemos ajudar a todos.”

O correspondente da BHB, Davi Grego, também informou que, em dezembro, garimpeiros e madeireiros incendiaram um posto de saúde em território Yanomami, colocando em risco a vida de 700 indígenas. A equipe médica que trabalhava no posto havia abandonado o local dias antes, após rumores de que garimpeiros iriam atacar a unidade.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo