Hora Brasileira

Macron pressiona pelo fim dos saques e tumultos testam sua autoridade

Macron pressiona pelo fim dos saques e tumultos testam sua autoridade

O presidente francês, Emmanuel Macron, está contando com a aplicação da lei para restaurar a ordem após quase uma semana de tumultos em todo o país desencadeados pelo assassinato de um adolescente por um policial.
French president cancels overseas trip as protests spiral
French president cancels overseas trip as protests spiral

Macron se reuniu com os principais ministros do gabinete na noite de domingo em sua última tentativa de elaborar uma resposta à violência, que está testando sua autoridade e capacidade de realizar reformas. Ele mantém cerca de 45.000 policiais, forças especiais e veículos blindados mobilizados para conter confrontos que deixaram centenas de prédios públicos e lojas danificados ou saqueados em cidades como Paris, Marselha, Lyon e Estrasburgo.

Enquanto as tensões diminuíram durante a noite de domingo, o tiroteio de Nahel, um jovem de 17 anos de ascendência norte-africana, continua sendo um ponto crítico em uma crise de racismo e desigualdade na França que está atraindo comparações com a reação dos Estados Unidos ao assassinato de George Floyd em 2020.

Macron se reunirá na terça-feira com cerca de 220 prefeitos franceses para discutir a situação, informou a Agence France-Presse após as negociações do gabinete.

A agitação é outro campo minado político para Macron depois que ele pressionou por um aumento na idade de aposentadoria da França que foi precedida por meses de greves e protestos. Imagens da tropa de choque mais uma vez lutando nas ruas mancham ainda mais a reputação do país, potencialmente aumentando o custo econômico no momento em que o governo enfrenta pressão para restaurar as finanças públicas.

“O que Macron precisa fazer é desenvolver políticas substantivas para lidar com os problemas enfrentados por esses jovens”, disse por e-mail Vivien A. Schmidt, professora de integração europeia na Universidade de Boston. “Infelizmente, porém, não está claro se ele reconhece o problema.”

A avó do menino pediu calma no domingo, dizendo à BFM TV que os manifestantes estavam usando sua morte em 27 de junho como um “pretexto”.

O porta-voz do governo francês, Olivier Veran, disse que “não há mensagem política” no saque de uma loja durante a noite. “Não chamo essas cenas de saque de movimento”, disse ele à rádio France Inter.

Os tumultos, principalmente de jovens de bairros da classe trabalhadora, estão mais uma vez revelando os abismos sociais. Alguns dos confrontos mais violentos aconteceram na cidade portuária de Marselha, que Macron visitou na semana passada para pedir ajuda a projetos comunitários.

O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, calculou no sábado os danos em cerca de uma dúzia de shoppings e mais de 700 supermercados, bancos e lojas, alguns dos quais foram reduzidos a escombros. Perto do auge da temporada turística de verão, países como o Reino Unido adotaram alertas de viagem para a França.

A oposição francesa em ambos os extremos do espectro político aproveitou a crise como prova de que o governo está falhando em garantir a segurança pública e reduzir a disparidade econômica.

Políticos, incluindo a líder de extrema-direita Marine Le Pen, se uniram para condenar um ataque em particular – o ataque de um carro em chamas à casa do prefeito de L’Hay-les-Roses, um subúrbio de Paris. Stephane Hardouin, promotor público, disse que as autoridades estão investigando uma “tentativa de homicídio” depois que o parceiro do prefeito e dois filhos pequenos escaparam de casa pela porta dos fundos.

A primeira-ministra Elisabeth Borne e o ministro do Interior, Gerald Darmanin, visitaram a cidade no domingo. “Continuaremos a trazer ordem o mais rápido possível”, disse Borne. “Nenhum prefeito ficará sozinho.”

A agitação trabalhista e as manifestações de rua acontecem regularmente na França, mas assumiram um tom mais intenso e conflituoso nos últimos anos, refletindo as divisões na sociedade francesa. Antes dos protestos previdenciários e da pandemia, o chamado movimento dos Coletes Amarelos já causava danos materiais generalizados.

A agitação nacional levou Macron a adiar uma rara visita de estado de um presidente francês à Alemanha, onde o chanceler Olaf Scholz chamou as imagens dos confrontos de “muito desanimadoras” no domingo.

Nahel, cujo sobrenome foi retido pelas autoridades, foi enterrado no sábado em Nanterre, sua cidade natal, onde foi baleado à queima-roupa em um carro. O policial que disparou a arma foi acusado de assassinato e está em prisão preventiva. Laurent-Franck Lienard, advogado do policial, disse à rádio Europe 1 que o policial acreditava que precisava atirar.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo