Hora Brasileira

MPM dá prazo para Exército explicar orientação de tenente-coronel comparecer fardado à CPI

MPM dá prazo para Exército explicar orientação de tenente-coronel comparecer fardado à CPI

O Ministério Público Militar deu dez dias para que o Comando do Exército explique por que o tenente-coronel Mauro Cid foi instruído a comparecer fardado à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito.

O Ministério Público Militar (MPM) deu um prazo de dez dias para que o Comando do Exército explique a orientação para que o tenente-coronel Mauro Cid comparecesse fardado ao seu depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os ataques terroristas de 8 de janeiro. O despacho afirma que, em nota, o Exército informou que o ajudante de ordens foi orientado pelo comando da corporação a comparecer fardado à CPI, “pelo entendimento de que o militar da ativa foi convocado para tratar de temas referentes à função para a qual fora designado pela Força”.

Solicitação da Deputada

O requerimento foi feito pela deputada federal Luciene Cavalcante (PSOL-SP) sob o argumento de que o uso da farda por Cid mancha a imagem do Exército. “Neste sentido, o uso da farda pelo tenente-coronel o coloca como representante das Forças Armadas em depoimento como testemunha por envolvimento em um crime, maculando a imagem da instituição”, está no despacho. A deputada disse ainda que a convocação aprovada pela CPMI não envolve o Exército na justificativa, não havendo motivo, portanto, para a orientação do uso da farda.

Posicionamento da Deputada

“Conforme o requerimento de convocação aprovado na CPMI, anexo, a justificação para a presença do tenente-coronel não envolve o Exército, mas apenas as suas condutas individuais, não tendo motivo para a orientação do uso da farda, portanto”, afirma Luciene. O procurador-geral de Justiça Militar, Clauro Roberto de Bortolli, acatou o pedido e deu o prazo para que o Comandante do Exército, general Tomás Paiva, esclareça a orientação dada pela Força.

Depoimento de Cid e Encerramento

Cid foi depor em 11 de julho no Congresso fardado e sob escolta da Polícia do Exército. Na ocasião, o militar não respondeu a nenhuma pergunta dos parlamentares. O ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi preso por suspeita de comandar um esquema de falsificação dos dados de vacinação de Bolsonaro e de membros de sua família. A HB procurou as assessorias do Exército e de Mauro Cid, porém não obteve respostas até a publicação desta matéria. O espaço continua em aberto.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo