Hora Brasileira

ONG em Ilha de Marajó alerta para novas mentiras de Damares Alves sobre pedofilia

Publicidade

ONG em Ilha de Marajó alerta para novas mentiras de Damares Alves sobre pedofilia

ONG em Ilha de Marajó desmente acusações sem provas de Damares Alves sobre exploração sexual infantil, destacando a importância de políticas públicas efetivas.
Damares Alves
Damares Alves

A ONG Observatório do Marajó, dedicada ao desenvolvimento de políticas públicas no arquipélago paraense, emitiu um alerta sobre campanhas que falsamente associam a região à exploração e violação sexual de crianças e adolescentes. Em nota, a organização esclarece que as alegações de que a população local normaliza tais violências são infundadas e servem apenas para desonrar o povo marajoara.

A Verdadeira Luta pela Proteção Infantil:

A ONG ressalta que o combate à violência infantil deve ser feito através do fortalecimento do sistema de proteção e garantia de direitos das crianças e dos adolescentes, contrariando a disseminação de informações não comprovadas na internet.

Controvérsias de Damares Alves:

A senadora Damares Alves, anteriormente ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, recentemente reacendeu a polêmica ao associar, sem apresentar evidências, o Marajó à exploração sexual infantil. Suas declarações, juntamente com as de celebridades que a seguiram, não detalharam casos específicos nem apresentaram dados oficiais.

Falta de Provas e Promessas Não Cumpridas:

A onda de fake news sobre a Ilha de Marajó foi iniciada pela própria Damares Alves em 2022, com a ex-ministra espalhando alegações não comprovadas sobre estupro e tráfico de crianças na região. Apesar de promessas de investimento, a ex-ministra não alocou os recursos prometidos para fortalecer as comunidades escolares locais, optando por abrir espaço para grupos privados favoráveis à privatização da educação.

Repercussão e Análise das Denúncias:

Após alegações feitas por Damares em um culto, afirmando a descoberta de um esquema de tráfico de crianças no Marajó, o Ministério Público Federal e a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão demandaram esclarecimentos detalhados sobre as denúncias, as quais, segundo análises de relatórios e investigações, mostraram-se infundadas.

Consequências Legais:

Em setembro de 2023, o Ministério Público Federal processou a ex-ministra, solicitando o pagamento de uma multa de R$ 5 milhões por disseminar informações falsas e sensacionalistas sobre a Ilha de Marajó. A Justiça ainda avalia o caso.

Este incidente destaca a necessidade de uma abordagem baseada em evidências para a proteção das crianças e adolescentes, longe de narrativas sensacionalistas que apenas prejudicam a luta legítima contra a violência infantil.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo