Hora Brasileira

Wassef assume ter recomprado Rolex e diz que não foi a pedido de Bolsonaro

Publicidade

Wassef assume ter recomprado Rolex e diz que não foi a pedido de Bolsonaro

A Polícia Federal apreende celulares de Frederick Wassef e investiga vendas ilegais de presentes oficiais, incluindo um Rolex, recebidos pelo ex-presidente Jair Bolsonaro.
Frederick Wassef ex advogado de Bolsonaro
Frederick Wassef ex advogado de Bolsonaro

A Polícia Federal (PF) apreendeu, no fim da noite da última quarta-feira (16), quatro celulares do advogado Frederick Wassef num restaurante em São Paulo. Dois aparelhos estavam com ele dentro do restaurante e os outros dois estavam no carro do advogado. Havia um mandado de busca e apreensão do celular expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda não havia sido cumprido.

Investigação sobre Presentes:

Wassef está sendo investigado no caso dos supostos presentes recebidos pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que teriam sido vendidos. O advogado Frederick Wassef, que representa o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), admitiu que recomprou o relógio da marca Rolex que o ex-mandatário recebeu de presente durante viagem internacional e que, segundo investigações, foi vendido ilegalmente por assessores dele.

Declarações de Wassef:

Apesar disso, Wassef diz que não recomprou o objeto de luxo a pedido de Bolsonaro, mas com seu próprio dinheiro e para cumprir uma determinação do Tribunal de Contas da União (TCU). “Sim, fui aos Estados Unidos e comprei o Rolex. O motivo de eu ter comprado esse relógio: não foi Jair Messias Bolsonaro que me pediu. Meu cliente Jair Bolsonaro não tem nada a ver com essa conduta, que é minha, e eu assumo a responsabilidade. Eu fui, eu assumo, eu comprei”, afirmou.

Detalhes da Viagem:

Wassef ainda alegou que não foi “escalado” pelos assessores de Bolsonaro para resgatar o item, argumentando que a viagem aos Estados Unidos, na qual adquiriu o objeto de volta, já estava marcada para seu período de férias. “Dizer que eu fui selecionado pelos assessores do presidente para fazer o resgate é mentira”, afirmou.

Operação da PF:

A PF cumpriu mandados de busca e apreensão na última sexta-feira (11) contra Frederick Wassef; o general Mauro César Lourena Cid, pai do tenente-coronel Mauro Cid; e o tenente do Exército Osmar Crivelatti, outro ex-ajudante de Bolsonaro. Eles são investigados por utilizar a estrutura do Estado brasileiro para desviar bens de alto valor patrimonial — dados de presente por autoridades estrangeiras em missões oficiais a representantes do Estado brasileiro — por meio da venda desses itens em países do exterior.

Desdobramentos da Investigação:

A investigação da PF aponta, até o momento, que os valores obtidos dessas vendas ilegais foram convertidos em dinheiro em espécie e incluídos no patrimônio pessoal dos investigados. A PF solicitou as quebras de sigilo fiscal e bancário do ex-presidente Bolsonaro e de sua esposa e ex-primeira-dama, Michelle Bolsonaro, para aprofundar as investigações do caso. Além disso, também já deu início a uma perícia no celular do pai de Mauro Cid.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo