Hora Brasileira

Ministério da Educação estuda alterações nos cursos de licenciatura

Publicidade

Ministério da Educação estuda alterações nos cursos de licenciatura

Há preocupações com a formação profissional de professores

O Ministério da Educação (MEC) está considerando a possibilidade de proibir cursos de licenciatura com carga horária integral na modalidade de ensino à distância (EaD). A proposta foi anunciada pelo ministro da Educação, Camilo Santana, durante uma coletiva de imprensa nesta terça-feira (5).

O ministro expressou preocupações com a qualidade da formação de professores, destacando que a avaliação dos cursos de licenciatura não presenciais está em andamento. Em novembro, as autorizações para novos cursos 100% EaD foram suspensas por 90 dias. Santana afirmou: “A ideia do ministério é não permitir mais cursos sempre EAD. Então, vamos definir se vão ser 50%, 30% [da carga horária].”

A decisão do governo surge após a apresentação dos resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2022 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O levantamento revelou que menos de 50% dos alunos brasileiros têm conhecimentos básicos em matemática e ciências.

Durante a coletiva, Santana destacou a importância do Pisa como orientação para as políticas educacionais do Brasil. Ele listou várias estratégias em andamento para melhorar a qualidade da educação, incluindo o Compromisso Nacional Criança Alfabetizada, escolas em tempo integral, conectividade nas escolas, qualidade da formação de professores, redução da repetência no ensino médio e a permanência dos estudantes nas escolas.

Além da possível proibição de cursos de licenciatura totalmente EaD, o ministro confirmou discussões com o Conselho Nacional de Educação (CNE) sobre mudanças na formação continuada de professores e alterações nas diretrizes curriculares nacionais dos cursos de licenciatura. Ele anunciou uma mudança no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que passará a ser anual em relação à licenciatura.

Santana também revelou planos para a próxima edição do Pisa, em 2025, que avaliará o desempenho educacional em cada estado brasileiro, buscando estratégias mais específicas para reduzir as desigualdades regionais.

O ministro enfatizou que a reestruturação do ensino médio, proposta no projeto de lei da nova Política Nacional de Ensino Médio, é essencial para garantir uma base sólida em disciplinas fundamentais como matemática e português. Ele apelou para que o processo não seja politizado e destacou a criação de medidas para abordar a segurança nas escolas.

Camilo Santana encerrou a coletiva garantindo recursos no orçamento público para implementar todas as políticas educacionais prioritárias até o final de 2026. Os resultados oficiais do Pisa 2022, tanto do Brasil quanto dos demais países avaliados pela OCDE, foram disponibilizados pelo governo.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo