Hora Brasileira

Taxa média de desemprego em 2023 atinge mínima desde 2014, revela IBGE

Taxa média de desemprego em 2023 atinge mínima desde 2014, revela IBGE

Índice de 7,8% representa queda de 1,8 ponto percentual em relação a 2022.
Taxa média de desemprego em 2023 atinge mínima desde 2014, revela IBGE. Índice de 7,8% representa queda de 1,8 ponto percentual em relação a 2022.
Taxa média de desemprego em 2023 atinge mínima desde 2014, revela IBGE. Índice de 7,8% representa queda de 1,8 ponto percentual em relação a 2022.

 

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), divulgada nesta quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que a taxa média de desocupação em 2023 atingiu o menor patamar desde 2014, ficando em 7,8%. O resultado reflete uma queda significativa de 1,8 ponto percentual em relação ao ano anterior, confirmando a tendência de recuperação do mercado de trabalho pós-pandemia.

Expansão no Emprego e Redução na Desocupação

O levantamento aponta que a população média ocupada atingiu um recorde de 100,7 milhões de pessoas em 2023, registrando um crescimento de 3,8% em comparação com 2022. Ao mesmo tempo, houve uma redução expressiva de 17,6% no número médio de pessoas desocupadas, totalizando 8,5 milhões.

Cenário de Contratação e Informalidade

O ano de 2023 encerrou com um recorde no número de empregados com carteira de trabalho assinada, atingindo 37,7 milhões, o que representa um aumento de 5,8% em relação ao ano anterior. Por outro lado, o contingente de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado também apresentou crescimento de 5,9%, atingindo 13,4 milhões, configurando o pico da série histórica.

A quantidade de trabalhadores por conta própria somou 25,6 milhões no ano passado, registrando um acréscimo de 0,9% em 12 meses. A taxa anual de informalidade teve uma leve queda, passando de 39,4% para 39,2% entre 2022 e 2023.

Rendimento e Desempenho no Último Trimestre de 2023

O rendimento real de 2023 foi estimado pelo IBGE em R$ 2.979, apresentando um aumento de R$ 199 em comparação com 2022, crescendo 7,2%, superando a inflação oficial acumulada no ano passado, de 4,62%.

Considerando apenas os dados trimestrais, o último trimestre de 2023 registrou uma taxa de desocupação de 7,4%. A população ocupada alcançou 101 milhões, representando a menor taxa desde o trimestre encerrado em janeiro de 2015.

Setores e Caged

A análise por setores revela que o grupamento industrial cresceu 2,5%, adicionando 322 mil vagas, enquanto a construção teve expansão de 2,7%, gerando 198 mil novos postos de trabalho. O segmento de transporte, armazenagem e correio acrescentou 237 mil empregos (4,3%), e outros serviços evoluíram 5,8%, somando 302 mil vagas.

O único setor que apresentou redução foi o de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com queda de 4,8%, representando uma diminuição de 403 mil pessoas.

Nesta terça-feira (30), o Ministério do Trabalho e Emprego divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que avalia apenas o comportamento dos postos de trabalho formal, ou seja, com carteira assinada. Em 2023, o Brasil registrou um saldo positivo de 1.483.598 vagas, com um salário médio de admissão de R$ 2.037,94.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo