Hora Brasileira

Invasão de Essequibo por Maduro Considerada Improvável

Invasão de Essequibo por Maduro Considerada Improvável

Especialistas avaliam como altamente improvável uma invasão militar de Maduro no território de Essequibo, apesar da nova legislação venezuelana.
Nicolás Maduro assina a chamada Lei Orgânica para a Defesa de Essequibo, para anexar o território internacionalmente reconhecido como pertencente à Guiana - Reprodução-X
Nicolás Maduro assina a chamada Lei Orgânica para a Defesa de Essequibo, para anexar o território internacionalmente reconhecido como pertencente à Guiana - Reprodução-X

O presidente venezuelano Nicolás Maduro promulgou a “Lei Orgânica para a Defesa de Essequibo”, estabelecendo uma região venezuelana dentro do território de Essequibo, reconhecido internacionalmente como parte da Guiana. A lei, vista como um ato de provocação, intensifica as tensões na disputa territorial de longa data entre a Venezuela e a Guiana.

Vitelio Brustolin, da Universidade de Harvard, argumenta que uma invasão militar venezuelana ao Essequibo é “altamente improvável” devido a desafios técnicos e geográficos. A fronteira densamente florestada e a necessidade de passagem pelo território brasileiro complicam qualquer tentativa de invasão militar.

O Brasil reforçou sua fronteira com a Venezuela, enviando blindados e tropas para bloquear potenciais tentativas de acesso à Guiana por parte de Maduro. Essa mobilização destaca o compromisso do Brasil em defender a estabilidade regional.

Embora improvável, Brustolin sugere que Maduro poderia combinar ataques aéreos com um desembarque anfíbio como estratégia alternativa para invadir Essequibo. No entanto, qualquer tentativa de invasão provavelmente provocaria uma intervenção internacional.

A comunidade internacional, incluindo Estados Unidos e Inglaterra, já se pronunciou contra a disputa territorial pela força. Maduro enfrentaria consequências severas, incluindo a possibilidade de ser destituído, caso tentasse uma invasão militar.

O governo da Guiana denunciou a promulgação da lei venezuelana como um “ato ilegal” e reafirmou sua soberania sobre o território de Essequibo. A Guiana advertiu contra a anexação e reiterou seu compromisso com a resolução pacífica da disputa, em consonância com os princípios do direito internacional.

Este episódio destaca as complexidades da disputa territorial entre Venezuela e Guiana e a importância de soluções diplomáticas para evitar o agravamento das tensões na região.

Leia também

Publicidade

Compartilhe

Publicidade

Bem Vindo ao HoraBrasileira

Nosso blog se destaca pela ampla variedade de conteúdos, incluindo política, economia, cultura, entre outros, com contribuições de colaboradores globais. Oferecemos nosso conteúdo em vários idiomas, essencial tanto para brasileiros no exterior quanto para estrangeiros.

Nossa missão é fornecer informações precisas, confiáveis e imparciais, com uma abordagem equilibrada, apesar de nossa orientação política progressista.

Comprometidos em manter a comunidade brasileira no exterior bem informada, garantimos acesso a notícias atualizadas e equilibradas sobre o Brasil e o mundo em diversas plataformas e idiomas.

Se você tem paixão por escrever e algo a dizer, queremos ouvir!

Pular para o conteúdo